Não fique à espera do que pode acontecer – aja e reinvente o seu negócio, agora!

Nunca a expressão ‘reinventar os negócios’ foi tão importante, como nesta altura tão desafiante para todos nós. Aliás, pode mesmo ser a única forma de todos garantirmos a sobrevivência dos nossos negócios e uma fonte de rendimento, mais ou menos estável, nesta altura em que continuamos em isolamento social na sequência da Covid19. Por isso, decidi, hoje, ajudar-te a refletir o que podemos e devemos fazer, enquanto empreendedores e empreendedoras, para que, de facto, possamos reinventar os nossos negócios.

Então, deixe-me perguntar-lhe: de que forma está a lidar com tudo o que se está a passar? Qual a sua atitude perante o seu negócio? Está a agir ou a reagir?

A resposta só pode ser uma. Tem de adaptar o seu negócio e, portanto, agir em vez de reagir. E, acredite, que esta decisão vai determinar o rumo do seu negócio e a forma como se manterá, mais ou menos estável, durante estes dias desafiantes que todos estamos a atravessar.

É verdade que, assim que tudo isto começou e o Corona Vírus como que tomou conta das nossas vidas, assistimos a muitos ginásios a suspenderem as suas mensalidades, a companhias aéreas a anunciarem que não iriam cobrar as taxas por cancelamentos… enfim, uma onda de solidariedade que todos apreciamos. E, ainda que estas respostas de muitas empresas, de facto, se tenham revelado cheias de boa intenção, cheias de boa fé e com o objetivo de ajudar a minimizar o impacto que a COVID19 teve nas nossas vidas, a realidade é que tudo isto foi, apenas, uma forma de reagir. Não de agir.

E diga-me? Quanto tempo sobrevive um ginásio sem mensalidades? Durante quanto tempo uma empresa aérea vive sem passeiros?

Nesta altura, é fácil seguirmos o impulso de reagir, mas não sabemos quando voltaremos à nossa vida normal e isto faz toda a diferença. Por isso, mais do que nunca, é hora de agir e não reagir. É altura de reinventar o seu negócio. Estamos há quase dois meses em isolamento social e pouco sabemos sobre o que vai acontecer amanhã, daqui a um mês ou daqui a dois meses…

O que pode fazer para lidar com esta incerteza?

Então, a pergunta que se coloca é: o que pode fazer para lidar com esta incerteza? Como pode adaptar o seu negócio? Como pode continuar a manter um rendimento mais ou menos estável?

Já pensou que a resposta pode estar aqui?!! Aqui, no online, neste ambiente gigantesco e cheio de potencialidades, a partir do qual, está, neste preciso momento, a ler este meu artigo. E, olhe, que quase todos os negócios podem adaptar-se ao online. Não acredita? Então, continue a ler.

Profissões como gestores de redes sociais, designers, solicitadores, coaches e até advogados… praticamente, só precisam de uma boa ligação à internet e uma plataforma como o Zoom e, já está! Os negócios continuam a rolar.

E, agora, pergunta-me: E os negócios que não se encaixam em nenhuma destas categorias? Pois é! Concordo que seja mais desafiante, mas não é impossível. Esta é a oportunidade da criatividade. Já lá diz o ditado: “a necessidade aguça o engenho”. Então, olhe à tua volta, veja a quantidade de negócios que antes eram totalmente presenciais, que nunca ninguém sequer imaginou que pudessem sobreviver de outra fora, e, hoje, estão à distância de um clique. A funcionar em pleno em online.

O online, mais do que nunca, entrou na nossa rotina

O que ontem parecia estranho ou até uma ideia futurista e pouco consistente, hoje tornou-se no habitual, o nosso dia-a-dia. Os momentos de crise têm esta característica de nos estimular a criatividade. Não é por acaso que a História mostra, que foram nos momentos de crise, que também se criaram grandes coisas.  Na verdade, a crise também traz consigo grandes momentos de oportunidade. E se reparar há sempre aqueles que choram e aqueles que vendem os lenços.  Espero que seja o que vende os lenços!!

E isto não tem nada a ver com sermos oportunistas. Tem a ver com estarmos despertos para as oportunidades, porque, também nos momentos de crise, temos esta possibilidade de sermos mais criativos do que nunca e, com isso, continuarmos a ajudar as pessoas com os nossos propósitos e com as nossas paixões.

Então, olhe para o teu negócio e perceba que partes dele poderiam ser adaptadas ao online. Pense comigo: alguma vez imaginaste que podias estar em casa e usufruíres da aula do seu ginásio, por zoom? Se calhar, não. Mas, se calhar, por estes dias, é o que lhe está a acontecer. Os ginásios adaptaram-se, agiram. E, assim, continuam a ajudá-lo a manter a sua forma.

Imaginou que seria possível ter aulas do ensino normal a partir de casa? Os seus filhos, provavelmente, estão, neste momento, a assistir uma aula.

Às vezes resistimos ao online… mas quando decidimos ver os nossos negócios com atenção, quase sempre há a possibilidade de o levar, ou parte dele, para este fantástico ambiente digital que, por estes dias, é o que nos mantém próximos uns dos outros.

Investige. Repare na quantidade de coisas que agora se pode fazer online, na quantidade de cursos e aulas a que podemos assistir, o quanto podemos aprender com eles; vê a imensidão de produtos que podemos comprar ou de serviços que estão ali à nossa disposição. Aliás, a minha comunidade de instrutores online é um exemplo disso. Tenho instrutores e instrutoras de todas as áreas, desde o desenvolvimento pessoal, à dança, defesa pessoal, maquilhagem, pastelaria, cozinha, treino de cães, meditação… sei lá.. tantas e tantas áreas!!

Só precisa de ser criativ@!! E pense, se adaptar o seu negócio, mantém uma fonte de rendimento, continua a ajudar os seus clientes e quando tudo quando tudo isto terminar, tem um negócio paralelo que pode complementar com a sua atividade presencial.

Temos de dar largas à imaginação e este é o momento certo!

Vou dar-te um pequeno exemplo, imagine que é fotógrafo. Obviamente, agora não pode fazer casamentos, batizados ou outros eventos. Mas, para além de fotografar, qual é a outra competência em que também é bom? A editar fotos e imagens, não é?!! Ora, aqui tem uma parte do seu negócio que pode perfeitamente levar para o online, vendendo o serviço de tratamento e edição de imagens.

Por isso, comece já a fazer perguntas, porque é nessas perguntas que vai encontrar as respostas e vai admirar-se com o tamanho da criatividade que podes nelas encontrar.

Ana Cristina Rosa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Outros artigos: